INCLUSÃO: O AUTISMO E A ANSIEDADE

IMAGEM DE UM MENINO TAPANDO OS OUVIDOS

 

O AUTISMO E A ANSIEDADE

A ansiedade é um problema real e sério para muitas pessoas no espectro do autismo, afetando 30% dos indivíduos diagnosticados com este transtorno.

Podemos observar distúrbios que incluem fobia social, ansiedade de separação, preocupação excessiva, transtorno obsessivo compulsivo e medos extremos, por exemplo, de aranhas ou ruído alto. Além disso, indivíduos com autismo podem ter dificuldades em controlar a ansiedade.

É importante lembrar que a ansiedade pode variar de flutuação, leve e completamente compreensível para incessante, severa e irracional.

A maioria das pessoas experimentam algum tipo de ansiedade em uma base regular e a ansiedade leve pode realmente ser uma força positiva, motivadora e que aumentar o nosso nível de esforço e atenção ao trabalhar ou se socializar. No entanto,  os altos níveis de ansiedade interferem no sucesso na escola, no trabalho e nas situações sociais.

As pesquisa atuais sugerem que os adolescentes com autismo podem ser particularmente propensos a transtornos de ansiedade, enquanto, a taxa entre as crianças mais jovens no espectro, não  diferirem da dos seus colegas da mesma idade. Alguns estudos igualmente sugerem que os indivíduos de alto funcionamento, dentro do espectro, exibem taxas mais elevadas de transtornos de ansiedade.

As intervenções comportamentais, como a terapia cognitiva comportamental, pode ser muito útil para os adolescentes e adultos com autismo.

Vários tipos de terapia cognitivo-comportamental têm sido desenvolvidos para tratar a ansiedade em crianças e adolescentes com transtorno do espectro autista, com promissores resultados de vários centros de pesquisa clínica.

È muito comum o terapeuta  usar personagens favoritos de uma criança e desenhos animados para modelar as habilidades de enfrentamento, ou intercalam conversas sobre esta paixão especial da criança durante toda a sessão de tratamento para promover a motivação e engajamento.

Dependendo do programa, as sessões de tratamento semanal geralmente duram de 60 a 90 minutos e continuar durante 6 a 16 semanas. É comprovado que estas terapias produzem melhoras significativas na ansiedade, comunicação social e outras habilidades da vida diária.

 

ativi614

Grupo formado por professores para divulgação de trabalhos na área da educação especial.