INCLUSÃO: AS DIFICULDADES DE COMUNICAÇÃO DA INDIVÍDUO QUE APRESENTA TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA

IMAGEM DE UMA CRIANÇA E UMA MULHER SE COMUNICANDO POR SINAIS

 

AS DIFICULDADES DE COMUNICAÇÃO DA INDIVÍDUO QUE APRESENTA TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA

As crianças, adolescentes e adultos que apresentam transtornos do espectro autista manifestam, com frequência, dificuldades de comunicação que não envolvem apenas o fato de serem verbais ou não verbais, mas sim, dificuldades para expressar seus desejos, opiniões e necessidades de forma espontânea e funcional.

Aos três anos, a maioria das crianças já passaram por marcos previsíveis no caminho para a aprendizagem de língua oral. Um dos primeiros é balbuciando. Até o primeiro aniversário, crianças com desenvolvimento típico, verbalizam uma ou duas palavras, viram e olham quando ouvem seus nomes e apontam para objetos que eles querem ou querem mostrar a alguém.

Quando é oferecido algo que não lhe agrada, eles deixam claro, pelo som ou expressão, que a resposta é “não”.

As crianças com transtorno do espectro do autismo, em geral, apresentam um atraso no balbuciar, falar e usar gestos. Pode acontecer casos em que a criança desenvolve a habilidade de balbuciar, nos primeiros meses de vida, e depois para com os comportamentos comunicativos. Outros, apresentam atraso na linguagem comunicativa e começam a falar mais tarde.

Contudo, com terapia adequada, a maioria das pessoas com autismo aprendem a usar a linguagem falada e todos podem aprender a se comunicar.

Muitas crianças e adultos não-verbais, aprender a se comunicar usando sistemas de comunicação, tais como imagens (PECS), linguagem de sinais, processadores de texto eletrônicos ou dispositivos, mesmo de geração de fala.

Quando a linguagem começa a se desenvolver, a pessoa com autismo pode utilizar a voz de forma inusitada. Alguns têm dificuldade em combinar palavras em frases com sentido. Podem falar apenas palavras simples ou repetir a mesma frase ou palavras várias vezes (ecolalia).

Algumas crianças levemente afetadas exibem, apenas, ligeiros atrasos na linguagem, ou mesmo, desenvolvem a linguagem precoce mas com dificuldade em manter uma conversa.

Algumas crianças e adultos com autismo tendem a fazer um monólogo sobre seu assunto favorito, dando aos outros pouca chance de comentar

Outra dificuldade comum é a incapacidade de entender a linguagem corporal, tom de voz e expressões acabam sendo interpretadas literalmente. É comum os indivíduos que apresentam transtorno do espectro autista utilizar expressões faciais, movimentos e gestos que não coincidem com o que estão fazendo.

Seu tom de voz, muitas vezes, não reflete seus sentimentos sendo monótono e sem variação parecendo “um robô”. Isto pode tornar difícil aos outros entenderem as suas intenções. A frustração por não se fazer entender pode levar eles a gritarem e exaltar-se por não saber lidar com a ansiedade gerada.

À medida que a pessoa com autismo aprende a comunicar o que ele ou ela quer, comportamentos desafiadores e birras, muitas vezes tendem a diminuir.

Fonte: Autism Speaks

ativi614

Grupo formado por professores para divulgação de trabalhos na área da educação especial.